Nossa Missão


O presente blog tem por principal objetivo a publicação de artigos sobre a criação e manejo das abelhas nativas de diferentes espécies. Sabemos que as abelhas originárias do continente Americano ainda não são valorizadas como deveriam ser. Ocorre que a grande maioria das pessoas não as conhecem e consequentemente não sabem o quanto são valiosas para a manutenção da fauna e que podem ser usadas para melhorar muitos aspectos sociais, culturais e principalmente econômicos. Por isso acredito que a divulgação desta maravilha natural é de suma importância para a coletividade.

João Victor Cunha Peluchi

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Armadilhas PET


Saiba como capturar novos enxames de abelhas Jataí de forma eficaz e principalmente respeitando o meio ambiente. 

É com grande satisfação que volto a escrever no blog, pois, nos últimos tempos houveram muitos trabalhos e grandes projetos que tomaram grande parte do meu tempo. Digo, não apenas ocupações envolvendo as ASF, mas em um contexto geral da vida deste humilde meliponicultor, estudante e trabalhador.

Ainda não acabou o rotina corrida, pois, estou entrando no 7º período da faculdade de Direito e ainda tenho de encarar os últimos 4 períodos e diga-se de passagem serão um desafio que terei de enfrentar com raça e coragem, para fechar com chave de ouro, a minha querida escala de trabalho ferroviário intercalando a vida de estudante e meliponicultor. É isso, acho que é o suficiente para ocupar 95% do meu tempo, os outros 5% é para resolver todo o resto, (risos).


Bom chega de falar da minha vida tranquila...

Quero aproveitar a aparição e falar sobre ARMADILHAS PET para capturar abelhas jataís. 

Nos últimos anos tenho feito muitos experimentos com minhas colônias de abelhas Jataís, afim de multiplicar algumas caixas para ampliar o MMS (Meliponário Monte Seco) e muitas das experiências foram frustada.  Ocorreram vários fatores dificultantes, hora por causa da ausência de uma rainha, hora por enfraquecimento acentuado da colônia, entre muitos outros problemas irremediáveis.

Diante dessa grande dificuldade de multiplicação da abelha jataí, surgiram novos estudos e muitas pesquisas, pois, como é sabido a abelha jataí só desenvolve uma nova rainha a partir de uma realeira, diferentemente de muitas outras espécies como a Mandaçaia, Uruçu entre outras, que poderão gerar uma nova rainha a partir de um ovo aleatório quando se faz necessário.

Pois bem, foi em 2010/11, através do pessoal de pesquisa de abelhas da USP e também dos amigos do AME-RIO que conheci uma técnica de captura, que é feita através de armadilhas elaboradas com materiais simples contendo um poderoso atrativo feito do própolis da abelha que deseja capturar e que hoje é conhecida como ARMADILHA PET.

Na época era uma técnica cheia de dúvidas e incertezas, mas isso mudou a ponto de chegarmos a um bom grau de maturidade, suficiente para adquirir 100% dos enxames através das armadilhas elaboradas pelo MMS e nunca mais depender de desdobramento de colônias de Jataís ou mesmo arrancar colônias de arvores ou estruturas. 

Vejo isso como um ponto positivo para todos, pois, é um avanço ecologicamente correto quando falamos em deixar de remover as colônias existente na natureza, preservando arvores, utilizando materiais de elaboração reutilizados e ainda dando a possibilidade de um novo enxame de nascer e povoar um determinado espaço. Dessa forma garantimos a sobrevivência das espécies de abelhas de modo geral e contribuímos com o meio ambiente. 


A armadilha feita pelo MMS, passou por muitos testes, desde a elaboração, passando pelo melhor local para fixa-la na natureza até o correto angulo de instalação. Estamos falando em 5 anos de melhorias e testes. Sem falar no feromônio que deve ser de boa qualidade e feito com um certo nível de concentração.

Bom... querem saber como fazer uma armadilha feita por nós? 


Para elaborar precisa-se de:




  Atrativo (Feromônio para capturar jataí)
  Garrafas PET (pode ser de refrigerante)

  Folhas de Jornal
  Lona preta (deve ser preta)
  Faca com ponta
  Tesoura
  Fita adesiva larga








ELABORAÇÃO

Primeiramente, deve-se lavar a garrafa PET e deixa-la secar bem, após fazer isso, deve-se impregnar a garrafa com o feromônio. Não precisa utilizar muito do atrativo, bastando uma pequena quantidade, pois, a intenção é apenas sujar o interior da garrafa e não encharca-la.

  

Em seguida ponha a armadilha para secar novamente por algumas horas e somente após a secagem completa deve-se prosseguir com a elaboração.

A garrafa seca irá ficar com aspecto de envernizada e dessa forma deve-se fazer furos com uma faca de ponta em torno da garrafa. Isso ajudará com o controle de temperatura do interior da armadilha e por consequência irá oferecer uma melhor aceitação das abelhas, já que estão em busca de um ninho agradável para que possam se instalar e gerar uma nova colônia.






O próximo passo é embalar a garrafa PET para que ela se pareça com um ninho, em se tratando de temperatura interna e ausência absoluta de luz. 
Para isso deve-se embalar a garrafa com 3 ou 4 folhas de jornal com auxilio de uma fita adesiva.





Feito isso, o próximo passo é embalar a "armadilha" com uma lona medindo 50 cm X 50 cm, de forma a deixar sobrando a maioria da lona preta na parte traseira, para que possa dobra-la e assim obter uma armadilha a prova d'agua.





Para finalizar, deve-se fixar e vedar toda a parte traseira e dianteira da armadilha utilizando a fita adesiva "larga". É bom evidenciar que esse procedimento é muito importante, pois, evitará que a água da chuva entre no interior da armadilha e a danifique, ou ainda pior, faça com que o enxame capturado abandone a armadilha. Por isso devo alerta-los no sentido em que a aplicação da fita adesiva deve ser generosa "sem miséria", (risos).





Prontinho... agora é só fazer um furo na tampinha da garrafa, adicionar cera de abelha Jataí em torno do furo da tampa e instalar em um lugar onde é possível que haja o enxameamento.

Ou seja, em locais como matas, jardins em perímetro urbano onde há incidência de abelhas Jataí entre muitos outros lugares que você acredite que poderá ocorrer enxameamento. 




A instalação da isca PET deverá ser feita na posição vertical, pois dessa forma há maior chances de enxameamento. Durante algum tempo fiz a instalação desta armadilha de diversas formas, ângulos, ambientes, alturas etc. 

O melhor resultado obtido foi com a armadilha posicionada na vertical na altura de aproximadamente 1,3 metros. O que quero dizer é, poderá haver enxameamento de outras formas, porém dessa maneira é muito mais provável que obterá maior numero de capturas.
Nesta imagem a seguir, temos uma armadilha instalada de forma correta e com um enxame recém enxameado. 

Note que há um pequeno galho entre o tronco e a armadilha, isso evitará que a água da chuva que desce pelo tronco da arvore fique passando pela armadilha.







Depois de todas essas dicas, acredito fortemente que qualquer um poderá elaborar e capturar suas próprias colônias de abelhas Jataís e dessa forma iniciar uma das atividades de maior valor entre os admiradores da natureza.

De qualquer forma, ponho-me a disposição para tirar qualquer dúvida ou ainda trocar informações sobre manejo e troca de experiências.

Grande abraço.

João Victor Cunha Peluchi


Gostaria de adquiri algum dos nossos produtos? 

Caso queiram adquirir o atrativo (feromônio) para elaborar suas iscas PET ou até mesmo a armadilha pronta para ser instalada, basta entrar em contato através do campo lateral do blog (Contato) ou acesse nossos produtos no Mercado livre.

Atrativo Feromônio  Clique AQUI

Armadilhas PET  Clique AQUI

Para outros produtos, favor entrar em contato via e-mail.

Muito Obrigado pela visita e até a próxima publicação. 

sexta-feira, 20 de março de 2015

Saiba mais sobre a abelha Jataí

Você sabia?
mel produzido pelas abelhas Jataís, além de saboroso e suave é bastante procurado por suas propriedades medicinais. É usado como fortificante e anti-inflamatório, em particular, dos olhos. Além do mel, a Jataí produz própoliscera e pólen de boa qualidade. Em comparação com as abelhas com ferrão, ela produz menor quantidade, mas o preço de venda é bem maior, por exemplo, um litro desse mel pode chegar a 100 reais.


Potes de mel de Jataí


A Jataí utiliza os mais variados locais para fazer seu ninho, o que contribuiu para a sua grande adaptação, inclusive ao meio urbano, o que não ocorreu com a maioria das outras espécies de abelhas nativas, que são, exclusivamente, nidificadoras de ocos em troncos de árvores. 



Entrada do ninho. Abelha Jataí



Para saber mais sobre essa e outras espécies de abelhas nativas, inscreva seu e-mail em "Saiba sobre novas publicações". 
Obrigado pela visita e deixe seu comentário para sanar duvidas.

João Victor Cunha Peluchi
Meliponário Monte Seco

segunda-feira, 9 de março de 2015

Divisão traçada pelo destino

Há muitas coisas que acontecem em nossa vida sem ser planejado,  é certo que não poderia ser diferente com as abelhas. Pois bem, a breve história que tenho para contar, diz respeito a uma nova divisão que estou fazendo e que é fruto do acaso.  

Amigos, ocorre que na semana passada fiz uma permuta de enxames com um parceiro meliponicultor, como é costumeiro algumas abelhas que estavam no campo ficaram para traz. Quando retornei para o meliponário logo percebi que as campeiras estavam sobrevoando o local de onde retirei a caixa utilizada na troca. Isso me deixou incomodado, afinal ninguém gostaria de ser despejado.

Para tentar ampara-las, instalei uma caixa vazia no local em que estava seu antigo enxame. Foi tiro e queda. Rapidamente elas se apossaram do novo lar, mas sabemos que isso não é suficiente para que nasça um novo enxame.

Eu diria que uma divisão é composto por três elementos que formando um triângulo, no qual a ausência de um dos elementos o ciclo não se completa. Os elementos seriam caixa vazia, ovos nascentes com realeira e Abelhas. Vale dizer que a realeira é necessária para algunas espécies como por exemplo as Jataís. 

No nosso caso, tínhamos 2 elementos, a caixa e as abelhas e por exclusão sabe-se que falta os discos nascentes com uma realeira. 

Com isso fui em busca de uma caixa doadora no meliponário. Novamente tive sorte, pois, não demorou muito para localizar um bom enxame com boa quantidade de indivíduos, repleto de discos de crias e ainda com uma bela realeira. É um bolo com uma linda cereja no topo, com o perdão da metáfora, mas é assim que eu a vi!


Disco de cria com realeira. Abelha Jataí


 Além dos discos de cria, também cuidei de adicionar alguns potes de alimento retirados da caixa doadora.

Alimento natural para o enxame de Jataí



Notem que houve um pequeno derramamento de mel por cima dos ovos, esse é um grande atrativo para os forídeos. Devemos sempre ter o máximo de cautela ao manusear os enxames, principalmente quanto ao derramamento de mel, isso poderá levar o enxame ao caos causado por essas mosquinhas terríveis. É por isso que os enxames devem ser monitorados periodicamente, com destaque aos enxames fracos e as novas divisões como esta em tela. 

No meu caso, cuidadosamente removi o excesso de mel derramado e estou monitorando este enxame duas vezes ao dia, sendo pela manhã e no fim da tarde. Caso haja infestação o melhor momento de controlar os forídeos é no início do ataque e por isso devemos identificar o problema prematuramente. 

Saiba mais sobre os forídeos em uma antiga publicação do blog Meliponário Monte Seco... http://meliponariomonteseco.blogspot.com.br/2011/04/revisao-e-controle-de-forideos.html

Com isso amigos, estamos trabalhando para que este seja um novo enxame em nosso meliponário. Não podemos esquecer jamais que "os olhos do dono é que engorda os enxames" e por isso devemos nos manter a disposição das colônias suprindo a falta de alimento, eliminando pragas como formigas, forídeos, cupins, traças etc...
  
E por fim, cuidarei de mostrar os passos dessa nova colônia para que possam acompanhar seu crescimento e dificuldades, assim aprendemos juntos e compartilharemos das diferentes situações que nos espera.

João Victor Cunha Peluchi 

Meliponário Monte Seco







6º DIA DA DIVISÃO


Hoje dia 10/03/2015, notamos uma boa recuperação do enxame com o invólucro fechando totalmente os discos de cria, isso proporciona uma proteção térmica que é de suma importância para a sobrevivência das larvas em desenvolvimento. 





Também é notório o surgimento de alguns potes de alimento, sendo este um sinal que o alimento oferecido diretamente na caixa esta sendo bem aceito.


Também gostaria de compartilhar uma dica importante, durante as revisões ou manejo. Seja breve e mantenha todas as ferramentas ao alcance visando o menor tempo de exposição da colônia. Para melhorar esse desempenho, faça um estojo ou caixa com os itens a serem utilizados, assim consegue-se aplicar todos os serviços necessário sem interferi no trabalho em que estiver envolvido os indivíduos dentro da caixa. 



Estojo de manejo para abelhas


É muito importante que todos os itens estejam organizados, troque as seringas periodicamente ou as mantenha sempre limpas de preferência esterilizadas para que não haja contaminação.

Em fim, esses são passos básicos para quem tem a intenção de ver o meliponário crescer e dar frutos, caso haja duvidas deixe seu comentário ou entre em contato via e-mail, estarei sempre a disposição.


João Victor Cunha Peluchi






segunda-feira, 2 de março de 2015

Voltando à Ativa Com Um Grande Presente

É com grande prazer que volto a me dedicar ao blog após um bom tempo ausente. A priori peço desculpas por não dar continuidade com as publicações, pois, sei que servem de grande ajuda para aqueles que estão em busca de dicas iniciais na atividade e também é uma importante ferramenta de troca de experiências entre os meliponicultores. 

Entretanto, já estava planejando este retorno, bastaria um bom motivo ou um bom assunto. Pois bem, o motivo de grande "inspiração" que me motivou o suficiente para retomar os trabalhos surgiu com grande espontaneidade como um presente que a vida nos da sem que estejamos esperando.  

Trata-se de um conquista...

Entrada da caixa de Uruçu 
                                   


 Está é minha primeira caixa de abelha da espécie Uruçu (Melipona Scutellaris).

Sem duvidas é um grande motivo de alegria, pois não é tão fácil adquirir esta bela espécie. O grande feito ocorreu após um almoço em família na Agro Estância localizada na cidade de Ibiraçu ES. Após o almoço em suas dependências resolvi fazer um breve passeio em suas instalações para dar uma aliviada na comilança rsrsrsrsrsr.... foi quando me deparei com um belo meliponário pertencente a um dos donos do local. 

Após uma breve conversa, acordamos em fazer algumas trocas de enxames. 

Só peço desculpas por não publicar fotos do local, pois, ainda não fui autorizado pelos responsáveis, mas prometo que farei novos contatos para obter maior liberdade e quem sabe todos terão acesso ao meliponário que me presenteou. 

Logo de cara, pude observar uma bela rainha aparentemente jovem e com bom número de posturas.


Abelha Uruçu Rainha
                                  



Também pude notar que a produção de mel e pólen estão em alta. Isso é devido a vasta área de matas nativas intocadas e alguns campos de plantio de café e eucalipto que existem no local. Seria preocupante se não houvesse um belo estoque de mel e pólen dentro da caixa com tanta oferta local rsrssrs


Produção de Mel e Pólen das abelhas
                                  


Meus próximos passos voltam-se para a possibilidade de um desdobramento deste enxame, por isso, mais do que imediatamente entrei em contato com o amigo Kalhil Pereira França do Meliponário do Sertão, a quem sou grato por me atender pronto e educadamente ao tirar algumas duvidas sobre a espécie em tela. 

E é isso, a princípio farei algumas pesquisas e estudar as novas integrantes do meliponário para que então eu possa fazer um correto manejo e assim trabalhar com melhores margens de sucesso. Aliás, está é a dica inicial que ofereço a todos! Sempre que topar com novos desafios, observe, estude, pesquise e tire duvidas com pessoas que já estão lidando com determinadas espécies, assim tudo torna-se mais simples e os bons resultados virão. 

Agradeço a todos por visitarem ao "nosso" blog!!! Sim, me refiro nosso blog por desejar que todos estejam a vontade neste espaço que serve não apenas para publicar artigos, mas sim para promover a integração entre os meliponicultores e ao reconhecimento das abelhas nativas do nosso país  e principalmente para trocarmos informações. 

conhecimento e a informação são os recursos estratégicos para o desenvolvimento de qualquer país. Os portadores desses recursos são as pessoas. (Peter Drucker)


João Victor Cunha Peluchi
Meliponário Monte Seco




sexta-feira, 1 de abril de 2011

Revisão e Controle de Forídeos

Esta semana, transferi meu enxame pioneiro para uma caixa nova, já estava passando da hora de presentear este enxame com uma caixa com proporção de tamanho e com uma boa divisão para melhor desenvolvimento e melhor manejo.

 Já no segundo dia fiz a primeira inspeção, logo notei a presença de forideos, fiz a limpeza inicial e instalei armadilhas para forídeos. 


O forídeo é um díptero que se alimenta de material orgânico em decomposição (frutas, principalmente). A fase larval adaptou-se muito bem ao consumo de pólen e larvas de meliponíneos. O adulto quando entra na colônia de abelhas, põe seus ovos preferencialmente no pólen armazenado pelas abelhas ou em favos de crias destruídos pelo manejo inadequado. As larvas dos forídeos alimentam-se de pólen, larvas e pupas de abelhas, causando sérios danos à colônia.


Caso o meliponicultor não cuide das colônias afetadas, eliminando o parasita, ela morrerá após alguns dias de infestação. Cada forídeo põe até 70 ovos, que em 3 dias desenvolvem-se em indivíduos adultos. Uma colônia infestada por forídeos é fonte de infestação no meliponário. Desta forma, esta colônia deve ser tratada ou eliminada o mais rápido possível


A principio utilizei uma saleira comum com vinagre, apenas aumentei o tamano dos furinhos para o forideo entrar.

(Saleira com vinagre)

 
O resultado foi imediato, esperei apenas 4 ou 5 horas para verificar a armadilha, ja que o cheiro de vinagre é irresistível para o forídeo e incômodo para as abelhas, e com certeza os furinhos de entrada da armadilha seriam tamponados pelas operárias para extinguir o cheiro forte de vinagre dentro da caixa.


(forídeos capturados)

Logo depois que removi a primeira armadilha, já me encarreguei de instalar mais duas armadilhas feitas com copos descartáveis, que é muito simples de fazer e também é muito eficiente.

 
 Materias utilizados

 Copo descartável
 Fita adesiva
Tesoura 
 Vinagre
 

(tesoura, fita adesiva e copo descartável)
 
 Para fazer é muito simples, basta derramar um pouco de vinagre no copo, apenas 1 dedo de vinagre no fundo do copo e vedar a boca do copo com a fita adesiva, feito isso faça pequenos furos na fita adesiva utilizando um garfo aquecido ou um palito de dente, o furo não pode ser muito grande para evitar a entrada das abelhas.

(furos na fita adesiva)
Pronto sua armadilha está feita, agora basta instalar nas caixas invadidas e lembrar-se de trocar todos os dias durante 15 dias pelo seguinte fato, fase de ovo: 6 a 8 horas; larva: 96 horas; pupa: 136 horas; total = 240 horas ou 10 dias. Assim, se o meliponicultor manipulou a colônia de abelhas e não encontrou forídeo, isto não significa que esta livre desses Dipteros.


Caso o copo descartável não caiba dentro da sua caixa, pode cortá-lo pela metade ou fazer armadilhas com copos menores. Se notar que há ovos de forideos na caixa faça uma limpeza e cubra a lixeira da colméia com sal de cozinha isso evitará novas infestações.

João Victor Cunha Peluchi
jvpeluchi@jnnet.com.br

quinta-feira, 10 de março de 2011

Potes de Cera Artificiais



Essa é muito boa......


Aprenda a fazer potes utilizados pelas abelhas sem ferrão.

Graças o amigo do blog Abelhas do sabugi aprendi uma técnica muito interessante e super criativa para auxiliar as abelhas quanto a construção de potes de mel e também fornecimento de cera para outros fins dentro da colméia.

As abelhas sem ferão "melíponas" não constroem favos como as abelhas Europa ou Itália "apis melíferas", e sim potes de cera onde armazenam mel e pólen, a cera é produzida pelas abelhas na transformação do mel por elas ingerido com o auxílio de oito glândulas ceríngeas localizadas no lado ventral do abdômen das operarias.

Quando fazemos divisões, as abelhas da caixa filha começam a construir um novo lar, isso inclui potes de armazenamento para o mel e também o pólen, mas graças ao amigo (Isaac Soares de Medeiros) essa tarefa pode ser feita pelo meliponicultor, depois de muitas tentativas nosso amigo chegou a um excelente resultado tornando essa tarefa simples e muito constritiva e eu que sou esperto já aprendi e vou mostrar como fiz meus potes de cera artificiais seguindo as instruções do Issac.

Ingredientes


Cera de Apis ou de Melíponas
Própolis da melípona que vai receber a cera artificial.
Óleo vegetal (óleo de soja).


Essa é a receita horiginal do Isaac porém eu não tinha cera de apis "abelhas Europa", por isso utilizei cera de jataí mesmo que tenho estocado aqui em casa, logo abaixo são as instruções dadas pelo Isaac em seu blog.

Preparando a Cera


Para cada 1 kg de cera de Apis, coloque 100 ml de óleo vegetal e 100 a 150 gramas de própolis da melípona que vai receber.

Coloque tudo em banho Maria a cera, oleo e a propolis, quando tudo estiver em estado liguido, baixe o fogo para não aquecer demais a mistura.


Ao iniciar a confecção dos potes, comece a mexer a cera e só pare quando terminar, evitará que o óleo ou a própolis fique mais concentrado em um lugar do que em outro.


Pois bem, como podem ver na foto abaixo foi isso mesmo que fiz, o único detalhe é que utilizei um palito de madeira com o tamanho mais ou menos parecido com o da largura dos  potes feitos pelas abelhas jataí,
se observarem bem esse palito esta dentro da lata onde derreti a cera.

(banho maria)

 Uma dica é deixar o palito em um copo com água gelada antes de iniciar a confecção dos potes, e  vale lembrar que não é bom aquecer muito a cera, isso evitará que a cera estrague e também ajudará na confecção dos potes, para começar é muito simples, basta mergulhar o palito molhado dentro da cera derretida e em seguida mergulhe na água fria, a cera se desprenderá naturalmente do palito.

(Palito molhado mergulhado na cera)


 A bagunça é inevitável, mas depois é só limpar para não tomar broncas como eu tomei rsrs.

(Mergulha o palito envolvido pela cera)


Parece mágica, lindos potes fabricados em sua cozinha, essa idéia genial que nosso amigo do Abelhas do Sabugi teve superou tudo que se trata em matéria sobre manejo e criação de abelhas melíponas.

(Potes de Cera Prontos)



É importante deixar os potes afastados por enquanto, pois logo após confeccionados eles ficam um pouco grudentos pelo fato de estarem quentinhos ainda, meus potes ficaram um pouquinho compridos mas não tem importância, as abelhas retiram o excesso e utilizam a cera para outros fins.

Se hover duvidas pode deixar seu comentario e e-mail que tentamos ajudar o maximo possivel, obrigado pelas visitas e voltem sempre. 

João Victor Cunha Peluchi
jvpeluchi@jnnet.com.br

quinta-feira, 3 de março de 2011