Nossa Missão


O presente blog tem por principal objetivo a publicação de artigos sobre a criação e manejo das abelhas nativas de diferentes espécies. Sabemos que as abelhas originárias do continente Americano ainda não são valorizadas como deveriam ser. Ocorre que a grande maioria das pessoas não as conhecem e consequentemente não sabem o quanto são valiosas para a manutenção da fauna e que podem ser usadas para melhorar muitos aspectos sociais, culturais e principalmente econômicos. Por isso acredito que a divulgação desta maravilha natural é de suma importância para a coletividade.

João Victor Cunha Peluchi

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Revisão e Controle de Forídeos

Esta semana, transferi meu enxame pioneiro para uma caixa nova, já estava passando da hora de presentear este enxame com uma caixa com proporção de tamanho e com uma boa divisão para melhor desenvolvimento e melhor manejo.

 Já no segundo dia fiz a primeira inspeção, logo notei a presença de forideos, fiz a limpeza inicial e instalei armadilhas para forídeos. 


O forídeo é um díptero que se alimenta de material orgânico em decomposição (frutas, principalmente). A fase larval adaptou-se muito bem ao consumo de pólen e larvas de meliponíneos. O adulto quando entra na colônia de abelhas, põe seus ovos preferencialmente no pólen armazenado pelas abelhas ou em favos de crias destruídos pelo manejo inadequado. As larvas dos forídeos alimentam-se de pólen, larvas e pupas de abelhas, causando sérios danos à colônia.


Caso o meliponicultor não cuide das colônias afetadas, eliminando o parasita, ela morrerá após alguns dias de infestação. Cada forídeo põe até 70 ovos, que em 3 dias desenvolvem-se em indivíduos adultos. Uma colônia infestada por forídeos é fonte de infestação no meliponário. Desta forma, esta colônia deve ser tratada ou eliminada o mais rápido possível


A principio utilizei uma saleira comum com vinagre, apenas aumentei o tamano dos furinhos para o forideo entrar.

(Saleira com vinagre)

 
O resultado foi imediato, esperei apenas 4 ou 5 horas para verificar a armadilha, ja que o cheiro de vinagre é irresistível para o forídeo e incômodo para as abelhas, e com certeza os furinhos de entrada da armadilha seriam tamponados pelas operárias para extinguir o cheiro forte de vinagre dentro da caixa.


(forídeos capturados)

Logo depois que removi a primeira armadilha, já me encarreguei de instalar mais duas armadilhas feitas com copos descartáveis, que é muito simples de fazer e também é muito eficiente.

 
 Materias utilizados

 Copo descartável
 Fita adesiva
Tesoura 
 Vinagre
 

(tesoura, fita adesiva e copo descartável)
 
 Para fazer é muito simples, basta derramar um pouco de vinagre no copo, apenas 1 dedo de vinagre no fundo do copo e vedar a boca do copo com a fita adesiva, feito isso faça pequenos furos na fita adesiva utilizando um garfo aquecido ou um palito de dente, o furo não pode ser muito grande para evitar a entrada das abelhas.

(furos na fita adesiva)
Pronto sua armadilha está feita, agora basta instalar nas caixas invadidas e lembrar-se de trocar todos os dias durante 15 dias pelo seguinte fato, fase de ovo: 6 a 8 horas; larva: 96 horas; pupa: 136 horas; total = 240 horas ou 10 dias. Assim, se o meliponicultor manipulou a colônia de abelhas e não encontrou forídeo, isto não significa que esta livre desses Dipteros.


Caso o copo descartável não caiba dentro da sua caixa, pode cortá-lo pela metade ou fazer armadilhas com copos menores. Se notar que há ovos de forideos na caixa faça uma limpeza e cubra a lixeira da colméia com sal de cozinha isso evitará novas infestações.

João Victor Cunha Peluchi
jvpeluchi@jnnet.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário